quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Maria da Penha: Eunício destaca lançamento do Observatório da Mulher contra a Violência

Ao participar da sessão que comemorou os dez anos da Lei Maria da Penha, o líder do PMDB, senador Eunício Oliveira (CE) ressaltou a iniciativa do senado que criou o Portal Observatório da Mulher contra a Violência, desenvolvido pela própria Casa.

A solenidade aconteceu nesta quarta-feira (17) e contou com a participação da incentivadora da Lei, a cearense Maria da Penha.

De iniciativa da Comissão Mista que discute o tema, o portal, de acordo com Eunício, será uma grande ferramenta para promover estudos, fundamentar novos projetos e orientar políticas públicas de prevenção, conscientização e atendimento às vítimas. “É uma contribuição importante para que a Lei possa ser implementada e a sociedade tenha acesso a todas as informações necessárias para cobrar e fazer valer a legislação”, disse.

Eunício também parabenizou a peemedebista Simone Tebet (MS), autora da resolução que criou o observatório. “Nós do PMDB parabenizamos a senadora por este trabalho pioneiro e que sem dúvidas, trará efeitos positivos no combate a violência contra a mulher”, acrescentou.

Na ocasião, o líder do PMDB lembrou uma série de fatos e pesquisas que evidenciam o cenário de vulnerabilidade em que vivem as mulheres, mas reconheceu a Lei Maria da Penha como ferramenta fundamental para mudança desse cenário. “A Lei Maria da Penha teve o potencial de se estabelecer como um mecanismo próprio de defesa das mulheres, dando visibilidade ao problema e priorizando o tema na agenda pública”, disse.

A cearense Maria da Penha afirmou que por muitos anos o estado ignorou a luta pela igualdade de gêneros, mas que a Lei tem ajudado a despertar a criação de políticas públicas em defesa das mulheres. “Vale a pena aqui ressaltar que a lei Maria da Penha contribuiu positivamente para a alteração comportamental entre os autores de violência e as vítimas”, destacou.

Entretanto, segundo ela, ao completar dez anos, a lei enfrenta vários desafios em meio a desconfiança contra a sua legitimidade e aspectos positivos acerca da sua aplicabilidade. E criticou discussões que estudam possíveis mudança na lei. “A lei não precisa ser alterada. Ela precisa ser cumprida, efetivada, fortalecida na sua implementação pelos operadores do direito”, argumentou. www.eunicio.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário