terça-feira, 30 de setembro de 2014

Solonopole: HOLPE PESQUISA informa as melhores empresas e Comercios no destaque 1º Lugar em Bom atendimento, Qualidade, Preferencia e Simpatia

A HOLPE PESQUISA INFORMA AS MELHORAS EMPRESAS E COMÉRCIOS NO DESTAQUE EM PRIMEIRO LUGAR EM BOM ATENDIMENTO, QUALIDADE, PREFERÊNCIA E SIMPATIA, SOLONÓPOLE SETEMBRO 2014

GLOBAL OPTICA - Globalizando a sua visão. Exames computadorizados, Médico Optomestrista Dr. João Paulo.
ASSETEC CONTABILIDADE - Assessoria Técnica Contábil, sua contabilidade em boas mãos. Técnico Contábil Bomfim.
ESCRITÓRIO DE ADVOCACIA DR. SIGEVAL - Causas civis, Trabalhista, previdenciária, Criminais e Familiar. Advogando sua causa.
SERRARIA SÃO FRANCISCO - Madeira em geral.  Temos produtos para apicultura, fabricamos portas e janelas, qualidade, bom preço e atendimento.
ESPAÇO BEM - Beleza Estética e moda, tudo em um só lugar, consultório de fisioterapia e estética,    Drª Kércia Matias, o seu bem estar.
PANIFICADORA MAIA - A melhor qualidade em produtos pra você, pães, bolos, bolachas e lanches, mais sabor no seu café da manhã.
OFICINA MOTO E CIA - Peças, Acessórios e serviços em geral, mecânico de confiança. Org.: Silvio e Jean
DISTRIBUIDORA DE BEBIDAS PINHEIRO - O seu distribuidor de bebidas em geral, refrigerante e água mineral, menor preço, qualidade e bom atendimento.
MERCANTIL MARQUES RABELO - O seu supermercado completo, faça suas compras, com garantia de qualidade e economia.
CHURRASCARIA PONTO DO SABOR - A melhor carne assada da cidade, tradicional arroz de leite e feijoada as sextas. Org.: Regis e Família.
RADIALISTA: Antonio Elanio “O Reporter do Povo” do Blog  www. Solonopole.blogspot.com  
AUTO CENTER PINHEIRO - Som, peças e acessórios para carros e motos.
RAFAEL SOM - O melhor em som automotivo.
FARMÁCIA SÃO JOSÉ - Cuidando melhora da sua saúde, medicamentos éticos e genéricos. Tradição a 34 anos.
ROLIM AUTO PEÇAS - Tudo em peças e acessórios para veículos automotivos.
CASA DOS PARAFUSOS - Tudo que você precisa em ferramentas, parafusos e acessórios.
VITÓRIA CONSTRUÇÕES - Material elétrico e hidráulico. Tudo para a sua construção pelo menor preço.
MOVELETRO - Beleza para o seu lar. Móveis e eletro domésticos pelo menor preço da praça.
FP DIGITAL - Telefonia, informática e tecnologia. Celulares, Acessórios e Assistência técnica.
JÉSSICA BOUTIQUE - Fique por dentro da moda, confecções calçados e perfumes. Org. Vera Tânia
MB SEGUROS - SPC, Serasa, empréstimos, IPVA, Multas, Licenciamento, DPVAT e Cobrança.
ARES MOTOS - Consórcio a vista e financiados. A sua moto pelo melhor plano. Vendedora Jéssica Gomes.
SACOLÃO DAS FRUTAS - Estoques renovados, melhora qualidade, mais variedades e o menor preço.
JAKSON GRÁFICA - Serviços Gráficos em geral. Xerox, Copias de Chaves, Qualidade em serviços.
BICIMOTOS - Tudo em peças e acessórios para motos e bicicletas.
PLASMA – PLANO DE ASSISTENCIA SANTA MARIA -  O melhor da região.

REALIZAÇÃO HOLPE PESQUISA E ESTATISTICA - SETEMBRO 2014.
Confira Banner tamanho normal aqui.

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Solonopole: Festa do Padroeiro São Francisco no Alto Vistoso em 2014

Três capelas do Município de Solonópole no Ceará estão realizando a Festa do padroeiro São Francisco: uma no bairro Alto Vistoso na sede, outra no Distrito Assunção e a outra no Distrito Prefeita Suely (Boqueirão).

A Programação do Alto Vistoso teve inicio no Dia 25/09 – Quinta-feira – Abertura da Festa – às 18hs Cavalgada saindo da Igreja Matriz do Bom Jesus Aparecido com uma cavalgada até a Capela de São Francisco e logo após às 19hs celebração da Santa Missa com a Benção do Santíssimo e o Hasteamento da bandeira; TEMA: Unidos a Cristo Videira vivemos a alegria do Evangelizar na Força do Espírito Santo. RESPONSÁVEL: Alto Vistoso. DEDICADO: aos vaqueiros. PARTE SOCIAL: Barraca e Bazar;

Dia 26/09 – Sexta-feira – TEMA: Unidos a Cristo Videira nos tomamos Igreja discípula, missionária e profética. RESPONSÁVEL: Monte Castelo e Catequista. DEDICADO: As Crianças. PARTE SOCIAL: Barraca, Bazar, pula-pula e pescaria;

Dia 27/09 – Sábado – TEMA: Unidos a Cristo Videira somos iniciados na vida de fé em comunidade. RESPONSÁVEL: Cohab e Grupo de Jovens. DEDICADO: Aos Idosos e Jovens. PARTE SOCIAL: Barraca, Bazar, pescaria e Louvor com o Grupo de Jovens;

Dia 28/09 – Domingo – TEMA: Unidos a Cristo Videira nos alimentamos de sua Palavra de Luz. RESPONSÁVEL: Simeão Machado. DEDICADO: As Famílias. PARTE SOCIAL: Barraca, Bazar e Pescaria;

Dia 29/09 – Segunda-feira – TEMA: Unidos a Cristo Videira vivemos aprendemos a ser comunidade viva e dinâmica de irmãos(as). RESPONSÁVEL: Santa Teresa e Ministros. DEDICADO: Aos Enfermos. PARTE SOCIAL: Barraca, Bazar e Pescaria;

Dia 30/09 – Terça-feira – TEMA: Unidos a Cristo Videira estamos a serviço da vida plena para todos. RESPONSÁVEL: Barra Nova e São José. DEDICADO: As Pastorais e Movimentos. PARTE SOCIAL: Barraca, Bazar e Pescaria;
Dia 01/10 – Quarta-feira – TEMA: Unidos a Cristo Videira vivemos o amor e a comunhão. RESPONSÁVEL: Domingos Sávio. DEDICADO: Aos Dizimistas. PARTE SOCIAL: Barraca, Bazar e Pescaria. – PREGADOR: PADRE MARCIO;

Dia 02/10 – Quinta-feira – TEMA: Unidos a Cristo Videira vivemos a partilha e a solidariedade. RESPONSÁVEL: Vila Cachoeirinha e Algodões. DEDICADO: Funcionários Públicos. PARTE SOCIAL: Barraca, Bazar e Pescaria;

Dia 03/10 – Sexta-feira – TEMA: Unidos a Cristo Videira produzimos fruto: a conversão pastoral. RESPONSÁVEL: Centro e Conjunto Nossa Senhora das Graças. DEDICADO: Aos Comerciantes. PARTE SOCIAL: Barraca, Bazar e Pescaria;

Dia 04/10 – Sábado – Missa de encerramento às 19 horas e logo após haverá o sorteio.

ENTREVISTA Cid: Eunício mistura negócios com política

FCO FONTENELE - De licença no cargo a partir de hoje, para se dedicar inteiramente à campanha de Camilo Santana, governador faz as críticas mais duras ao antigo aliado. No balanço de governo, ele admite frustração na segurançaCid Gomes falou para editores do O POVO durante cerca de duas horas e meia.

A conversa tem um balanço altamente positivo sobre os quase oito anos de governo, um mea culpa quanto ao “defeito” de não saber demitir, quando reconhecia as frustrações com os resultados na área de segurança, e uma análise bastante realista do cenário eleitoral. Confira a íntegra:
O POVO – Governador, o cenário que temos hoje no Ceará é aquele que o senhor projetava quando de seu primeiro governo, quase oito anos atrás? O Estado será entregue da forma que o senhor gostaria e imaginava?
Cid Gomes – Tem vários setores com registro de expressivos avanços e, óbvio, setores que não estou satisfeito (com o que foi feito), além dos que não poderiam ser melhores. Vamos tentar descrever aqui um pouco de cada um deles. Na infraestrutura, por exemplo, em energia, o Ceará oito anos atrás era um estado 100 por cento importador. Não se produzia aqui nenhum lote de energia , tínhamos algumas usinas termelétricas que eram usinas de backup, não havia produção permanente. Ao longo desses oito anos o Ceará se transformou num estado exportador de energia. Nós geramos mais de 1.000 megawatts de eólica, somos um dos dois únicos estados brasileiros que ultrapassaram essa barreira, e temos mais 1.200, aproximadamente, de térmicas que funcionam permanentemente. Como nossa demanda, a potência instalada necessária para que tudo rode no Ceará é algo em torno de 1.500, 1.600 megawatts, estamos conseguindo gerar um excedente. E todos sabemos o quanto a energia é estratégica e que já foi, e vez por outra volta a ser, um setor crítico.

OP – Estamos dependentes das termelétricas?
Cid – Não diria isso. É que se resolveu no Brasil, de um certo tempo pra cá, privatizar a geração de energia. Foi uma opção que o País fez ainda na época do governo Fernando Henrique Cardoso, então, privatizaram a distribuição, aqui no Ceará foi vendida a Coelce, e deu-se início à política de leilões para geração de energia. Acabou-se aquele tempo em que o governo fazia direto, fez Tucurui, Paulo Afonso, Itaipu, mas hoje os investimentos na área são privados. É a iniciativa privada que está fazendo Santo Antônio, Girau, através de leilões, quem está fazendo Belo Monte é a iniciativa privada, a geração de energia eólica é feita 100 por cento através de investimentos privados, as termelétricas. Enfim, pode-se dizer que quanto à energia os avanços são extraordinários. Infraestrutura dois: um tema fundamental em qualquer lugar, pra nós mais ainda, que é a água. A despeito da demagogia que reina, especialmente às vésperas de uma eleição, nunca houve tanto investimento em recursos hídricos no Ceará como está havendo agora. Desde ações macroestruturantes, como é o caso do Eixão das Águas... O Castanhão foi feito pelo governo federal, através do Dnocs, mesmo que alguns tentem se apropriar da sua construção. É claro, basta olhar os dados disponíveis para ver que quem construiu o Castanhão foi o governo federal, uma obra que percorreu vários governos mas concluído pelo (ex-presidente) Lula. A água dele para chegar a Fortaleza demanda 200 km de infraestrutura de canais, dos quais, os dois governos anteriores ao meu fizeram 70 km e nós fizemos 130 km para que ela chegasse a Fortaleza. Fiz mais 55 km, já não é canal, é adutora, para chegar ao Complexo Industrial do Pecém. Uma adutora de 2,5 metros, triplicando a oferta de água para o Pecém e a gente sabe que termelétrica precisa, siderúrgica precisa, que qualquer empreendimento industrial precisa. Quanto a Fortaleza, o que está feito já de infraestrutura assegura água para um horizonte de 20 anos e, acrescentando (a transposição) São Francisco, uma obra em execução, a despeito da politicagem querer negar, mas está em plena execução, há seis mil pessoas trabalhando, assegura água para um horizonte de 40 anos. Então, o que São Paulo está vivendo, que é o risco de um colapso de água no final do ano, Fortaleza, em pleno semiárido, tem garantia de 20 e, muito brevemente, mais 20 anos. Graças a ações federais e ações estaduais, como é o caso do Eixão. Além dessa obra estruturante, também estamos em execução com a maior de todas, o Cinturão das Águas. O investimento é de R$ 1,5 bilhão, obra em plena execução, também, e que fará com que as águas do São Francisco, que pelo projeto original da transposição já chegam à bacia do Jaguaribe, possam alimentar todas as outras grandes bacias do Ceará. Vai para o Oeste do estado, que é a região mais crítica sob o ponto de vista de insuficiência de água, atravessa o Cariri, de ponta a ponta, serve já inicialmente, toda aquela região de Crato, Barbalha, Juazeiro, mais adensada, permite que se retome atividades de irrigação pela oferta de água o ano inteiro, mas ele não para por ai. O canal segue, vai para o Cariri Ocidental, entra nos Inhamuns, alimenta, portanto, vai perenizando todos os afluentes do Jaguaribe. Por isso, por exemplo, o açude de Orós, que no projeto original não teria qualquer benefício, passará a ser também uma barragem alimentadora, uma barragem pulmão. Alimenta o próprio Jaguaribe, o Banabuiu, o Quixeramobim, a bacia do Poty, a bacia do Coreaú, do Acaraú, do Aracatiaçu, a bacia do Curu, crítica para o Pecém, a região como um todo que padece da falta dágua. Pelo outro lado, a bacia metropolitana chega aqui pelo Eixão, por isso é que se encontram e se dá o nome de Cinturão. Nós ficamos com a melhor estrutura de recursos hídricos, me perdoem a vaidade, ficaremos com uma estrutura hídrica que nem Israel tem, apesar de ser um país conhecido no mundo inteiro como onde se fez mais coisa nessa área. Vamos ficar com a possibilidade de manejar a água e com uma fonte externa que é segura. Falei apenas dos projetos macro, mas há uma série de outros projetos. A verdade é que em tempo algum da história do Ceará se investiu tanto nessa área...

OP – Governador....
Cid – Desde a coisa chamada cisterna. Uma modalidade voltada para atender uma família isolada. Quando você não tem uma rede próxima, não tem um açude próximo, a forma recomendada é fazer uma cisterna para que ela acumule a água da chuva e dê a possibilidade de atender às necessidades básicas por um bom período. Ao longo de toda a história do Ceará foram feitas 22 mil cisternas de placas, uma parte delas feita por ONGs, Cáritas etc, não foi o governo. Nós estamos implantando 153 mil, quase oito vezes tudo que foi feito em matéria de atendimento individual.

OP – Nós tínhamos 22 mil casas...
Cid – Vinte e duas mil casas, no Ceará, com cisternas. E, repito, boa parte delas que não foi feita pelo governo, por entidades não governamentais, pelo Dnocs, e uma parte, não sei precisar quantas, realizada pelo governo. Nós estamos implantando 153 mil! Quase oito vezes tudo que foi feito na história, pelo governo e outros agentes. Hoje até deve ser mais porque continuam entidades não governamentais.  Bom, sistemas de abastecimento dágua, que é outra coisa importante, quando assumi o Estado dispunha de apenas três máquinas perfuratrizes, hoje são 11. Quer dizer, por qualquer ângulo que se queira ver a área dos recursos hídricos esse governo é um governo que se destaca. Diria que em barragens, talvez, o do Ciro (Gomes, irmão e ex-governador) tenha feito mais do que nós, porém, assim mesmo, se é para contar como coisa do governo, foi feito o Figueiredo, o Missi, o Gameleira, o Jatobá, o Mamoeiro, o Jenipapeiro, enfim, fizemos vários açudes. Em relação às adutoras, de novo, nenhum governo chegou à metade do que executamos. Do que vem à cabeça, agora, executamos 50 km para atender Tauá, 30 km para atender Quiterianópolis, 150 km para atender Crateús, 40 km para atender Irauçuba, 20 km para atender Potiretama, 40 km para atender Caridade e Canindé, 25 km para atender Caririaçu, sem falar de outros tantos, devemos ter executado, seguramente, mais de 1.000 km de adutoras para atender centros urbanos. Alcântara, Beberibe, Pindoretama, Fortim, sistema de abastecimento dágua de Aracati foi feito no meu governo, fiz Maranguape, sede e alguns distritos...

OP - Pelo que o senhor está falando...
Cid - Em matéria de água, desde o grande investimento até o micro, não há parâmetro de governo que tenha feito próximo do que nós. Em um setor apenas, acho que açudes, acho que o Ciro fez mais. Na infraestrutura estradas, o que realizamos equivale a tudo que foi feito pelos outros governadores, somados. Entre restauração e implantação de novas estradas, há melhoria no padrão, duplicação, tudo sem cobrança de pedágios. São Paulo, por exemplo, deve ter tido uma grande ampliação de duplicação de malha viária, mas foi cobrando pedágio, ao contrário do que acontece aqui. Devia existir uns 30 km de Fortaleza a Pacatuba, imaginemos mais 30 km até Aquiraz e uns 10 km no trecho até Maranguape, quer dizer, somando tudo era 70 km. Pois nós estamos fazendo 200 km de estradas duplicadas e posso mencioná-las: Aquiraz-Cascavel, Beberibe, Pacatuba-Guiauba-Acarape-Redenção, Caucaia-São Gonçalo do Amarante-Paracuru e estamos prosseguindo agora para chegar até Trairi, a duplicação do Anel Viário desde Caucaia até a Ponte da Sabiaguaba, enfim... Outra área importante, portos. O que fizemos em termos de investimento é mais do que foi feito para implantação do Porto do Pecém, nós mais do que dobramos o investimento lá. Fomos de dois para quatro berços, implantação de descarregadores, aquisição de descarregadores, de esteiras, aquisição de outros equipamentos. Acho que em termos de infraestrutura o governo é um governo que se destaca e é fácil perceber isso. O Ceará é o quarto estado brasileiro que mais investe, enquanto temos a 11ª economia...

OP - Em valores brutos?
Cid - Em valores brutos, valores absolutos. Estamos à frente de Pernambuco, Paraná, Bahia, Goiás, Espírito Santo, Santa Catarina, do Rio Grande do Sul, todos estados com economias maiores. Aeroportos? Também há investimentos importantes neles. Outro ponto a analisar é o da prestação de serviços sociais, os serviços de atenção, o que inclui saúde, segurança pública, educação, assistência social. Em educação, o que foi executado ao longo desses anos, frente ao que foi planejado, também se pode considerar uma conquista. O Ceará tinha muito pouca interlocução nos municípios e isso é fundamental, porque você não pode ficar aqui simplesmente cumprindo suas obrigações no ensino médio, esperando que o aluno venha do ensino fundamental deficiente, do ensino infantil deficiente, do processo de alfabetização etc, para conseguir recompor. Nossa postura foi de ajudar os municípios, na base, começando pelo processo de alfabetização. Agora estamos avançando, pegamos as duas séries iniciais, 1º e 2º ano, pegaremos 3º, 4º e 5º, apoiando, orientando, avaliando as crianças, e isso tem tido um efeito notório. O Ceará passou a ser uma referência no Brasil nesse próprio de acompanhamento e de melhoria na qualidade das séries iniciais do Ensino Fundamental. No Ensino Médio, focamos nossa atuação na busca de identificar os fatores que respondem pelo problema de ainda termos muita gente fora da sala de aula. Identificamos dois: um, a necessidade de levar escolas de Ensino Médio para sedes de municípios que não tinham, os pais eram obrigados a levar para outras localidades, e para grandes comunidades rurais. Então, devemos ter feito mais de 70 escolas de Ensino Médio, o que é recorde, em pequenas comunidades, pequenos municípios e em alguns distritos. Atacamos um outro ponto identificado como responsável pela baixa matrícula, não se trata de falta de oferta, a realidade é que existia sala de aula no 3º ano com oito alunos, procurando implantar escolas com algum atrativo, pelo tempo integral e pela perspectiva de formar as pessoas num nível técnico...

OP – Escolas profissionalizantes.
Cid - Exato. A um só tempo, portanto, a escola que pensamos resolve os dois problemas identificados, porque é atrativa, tem tempo integral, biblioteca, laboratórios etc, além de suprir a questão da deficiência na formação técnica, que é nacional. Não existia nenhuma dessas escolas e hoje já são 105, há algumas ainda por inaugurar, outras por iniciar, e a nossa meta é universalizar o acesso e significando que os municípios com mais de 25 mil habitantes, todos, terão escolas de ensino profissional e os menores estipulamos que devem se organizar em consórcios para providenciarem os transportes dos alunos que o Estado se compromete a construir uma unidade escolar. Já existe uma experiência verificada envolvendo Mocambo, Pacujá e Graça, municípios vizinhos, em que uma escola atende aos estudantes dos três. Só acredito em política feijão com arroz, no sentido de que ela seja universalizada, não é só, como já vi no passado, construir uma escola integral, botar na televisão e tentar enganar as pessoas com a ideia de que exista escola com tempo integral. Lembro que quando assumi o governo havia uma escola de tempo integral, que era o Justiniano de Serpa, em Fortaleza. Não era profissionalizante. Hoje são 105 e a meta é universalizar até o final do governo. Fisicamente não conseguirei, mas os recursos ficarão assegurados, porque a verba que acabei de garantir no Ministério da Educação assegura a construção de mais 22.

OP - A pergunta era sobre o geral do cenário, mas nessa questão da educação....
Cid - Estou dizendo objetivamente as realizações, mas é fácil apurar. Em educação é fácil verificar, porque existe uma padrão, chamado Ideb, que nos permite saber qual é a nossa posição, como a gente evoluiu. O Ceará, em 2007, primeiro Ideb, ocupava a 11ª posição entre os 17 estados do Norte e do Nordeste. No Ideb agora, de 2013, somos o 2º do Norte e Nordeste, e é verdade que antes, em 2011, chegamos a estar em 1º. Ou seja, tivemos no último ano, de fato, uma queda, ínfima, no Ensino Médio, que creio que seja fruto da ampliação. Claro que toda vez que você amplia, oferece mais matrícula, é natural que ocorra uma oscilação pra baixo. Quando você opta apenas por cuidar de uma rede já existente torna-se mais fácil e a tendência é de crescimento, mas quando você faz opção por ampliá-la acaba comprometendo em algum momento. O fato é que comparando 2013 com 2007 há uma evolução significativa no 5º ano, no  9º ano e no 3º ano do Ensino Médio, que é onde faz o Ideb, são dados acessíveis.

OP – Agora, qual é o sentimento do senhor. É isso que esperava? Foi feito tudo que era possível?
Cid - Olha, educação é um trabalho que aparece imediatamente, com algumas ações. É o caso do programa da Alfabetização na Idade Certa, fazendo com que a gente passasse da água para o vinho, de um percentual de 45% de crianças alfabetizadas aos 7 anos para 90%. O indicador de Ensino Médio ideal é 6, nós estamos em 4,7 ainda, mas antes era 3 vírgula pouco. Sendo que o Ensino Médio demanda uma formação inicial melhor, então, não tenho dúvida, a tendência é de crescimento permanente dos indicadores de Ensino Médio no Ceará. É importante dizer que nós não estamos abaixo da média do Brasil, em todos nossa média superior à nacional. Agora, não vivemos numa ilha, nós somos nós e as nossas circunstâncias. O Ceará tinha tudo, pela questão de renda, de renda per capita etc para ter alguns dos piores indicadores do Brasil e, ao contrário, repito, dos 17 estados do Norte e Nordeste deve ser o 14º quanto à renda per capita mas estamos em 2ª posição em indicadores de educação. Outro problema é a saúde, que a própria população indica, em pesquisas, ser a maior preocupação das pessoas. Tem uma parte que, óbvio, é real, realíssima, a população tem muita razão em se queixar, mas um outro componente a considerar é o psicológico. O que quero dizer é que temos, de fato, a nossa necessidade, mas há a crônica negativa que acaba assustando e, finalmente, há um outro aspecto que pesa: você sempre parte do pressuposto de que o seu problema é que o mais grave do mundo. É natural. A política para saúde no Estado do Ceará resumia-se à seguinte coisa, vou dizer aqui bem claramente: um programa de apoio a hospitais municipais, hospitais considerados pólos. Nesse apoio nós triplicamos o valor e ampliamos a quantidade de hospitais. Era isso e os grandes hospitais de Fortaleza, o HGF, o Albert Sabin, o São João, Messejana coração, Messejana cabeça, o Valdemar de Alcântara e o César Cals. Esse era a política de saúde do Estado. Em todos esses hospitais, todos, nós ampliamos a quantidade de leitos, sem exceção. Com os hospitais regionais construídos estamos chegando à incrível marca de, em oito anos, termos dobrado a quantidade de leitos de internação no Ceará. Vou repetir! Estamos fazendo em oito anos tudo o que foi feito em matéria de disponibilidade de leitos para internação no Ceará ao longo de sua trajetória. E fizemos algo que é revolucionário sob o ponto de vista da organização do modelo de saúde, porque saúde é uma coisa complexa. Pelos níveis de atenção, há a primária, a secundária, a básica, a terciária, tem a urgência, aquela seletiva etc e tal. Tudo isso era completamente desordenado e, nesse aspecto o Ceará é pioneiro, não fui eu quem inventou a roda, em matéria de atenção primária, sempre fui um Estado que teve cobertura maior, o que fizemos foi apoiar a aquisição de novos equipamentos, construir novas unidades etc. Enfim, anda mais no Ceará, avança mais, essa cobertura de atenção primária. Na atenção secundária era o caos, cada um que resolvesse. Política de atenção secundária à saúde nos municípios resumia-se ao seguinte: uma casa de apoio instalada em Fortaleza, alguém que, geralmente por amizade ou um fora a parte, conseguia marcar uma consulta coisa e tal e assim caminhava a humanidade. Era assim que funcionava. Nós organizamos isso em consórcios e procuramos estabelecer uma política que fosse capaz de tratar os dois caminhos da saúde. Um, a emergência, que não tem hora, tem um problema grave, quer dizer como se organiza isso? Tem o Samu, que é pegar a pessoa, mas numa situação em que esta pessoa não fique devendo favor a política e que alguém qualificado, com formação, que saiba para onde caminhar o paciente a partir do caso. Você não pegar uma enxaqueca e encaminhar para o HGF, não pode pegar um derrame cerebral, um AVC, e levar para uma UPA! Sabem quantos municípios tinham Samu no Ceará quando assumi o governo? Dois, dois. Fortaleza, implantado pelo Juraci (Magalhães), e Sobral, implantado por mim quando era prefeito. Hoje são 106 municípios e trabalharemos, se Deus quiser, para universalizar o programa e levá-lo a todos os 184. Na sequência, UPAs. Não faz sentido levar para o IJF um caso em que uma criança é socorrida por levar um corte, uma situação que pode ser resolvida com uma suturazinha, a UPA dá conta de resolver, e são unidades de pronto atendimento que funcionam 24 horas por dia. Como primeiro cuidado, não há nada melhor no mundo, tem lá vários serviços, raio x, sutura, sala de ressuscitações, pediatra, inclusive. É um modelo que se pratica na Inglaterra, país que se diz ter uma das melhores políticas de saúde do mundo. UPAs, quantas tinha no Ceará? Nenhuma, já estamos com 25. É uma espécie de rede de desafogamento, descongestionamento dos hospitais. ou seja, boa parte dos problemas que iam para o IGF ou para o HGF hoje ficam nas UPAs falam por si só, não tenho aqui os dados exatos mas foram mais de 2 milhões de cearenses atendidos em cerca de dois, três anos de implantação. Além disso, houve a interiorização, os hospitais macrorregionais para resolver o problema da emergência. No Cariri, já funcionando, em Sobral, já funcionando, e o de Quixeramobim, que ficará pronto ainda esse ano, e nesses dias, falta apenas a licença da prefeitura de Maracanaú (risos), estaremos começando o Hospital Metropolitano. Será a primeira experiência de PPP (Parceria Público-privada) nessa área de saúde. Na área que os técnicos chamam de Procedimentos Eletivos, necessidade de uma endoscopia, onde não há emergência, que pode ser marcado para três dias depois, uma semana, como faz isso? Nós, aqui, procuramos dar forma a isso constituindo os consórcios para universalizar uma política de atendimento em saúde eletiva. Foram criados 21 consórcios no Ceará, nenhum outro estado brasileiro tem nível igual de organização, todos eles aprovados por Câmara de Vereadores, pela Assembleia, todos com CNPJ, com dinheiro em caixa, responsabilidades claras, 40 por cento no mínimo do Estado e os 60 por cento dosa municípios, desde que o valor não supere 10 por cento do ICMS dele. Com isso, na prática, hoje o Estado está com 55 por cento e os municípios com 45 por cento, e ai tem uma Policlínica, que são médicos, consultas de outros técnicos e exames especializados. Sabe quantas mamografias o Ceará fez em 2006? Seis mil. Nós fizemos em 2013, o último dado de que disponho, 80 mil monografias. Veja a diferença! Há ainda os Centros de Especialidades Odontológicas, tudo funcionando, é importante dizer, funcionando sem a história do favor político, a pessoa vai referenciado pelo consultório de atenção básica, é o médico que deve apontar o exame, a consulta que a pessoa precisa. Em matéria de saúde nós temos um modelo muito razoável, mas é o caso de dizer que está bem? Claro que não! Há necessidade, ao meu juízo, de ter mais UPAs, você tem o componente dos prestadores de serviço e ai o Camilo (Santana, candidato ao governo) está propondo uma coisa legal. O que o Camilo propôs já pode ser testado na prática..

OP - É a remuneração dos profissionais pelo nível de satisfação do público, não é?
Cid - É, é uma gratificação a partir da análise do paciente, feita por ele. Já temos isso no Vapt-Vupt, em Juazeiro do Norte. Em cada guichê de atendimento, são dezenas de tipos diferentes, tem um terminalzinho com os símbolos de alegre, média e triste, três níveis de classificação. O consórcio, então, é remunerado em parte por isso, incluiu-se o nível de satisfação na política remuneratória. Perdoem a modéstia, sempre, mas o modelo de saúde aplicado aqui no Ceará é revolucionário, não há outro estado brasileiro com algo semelhante e, também, que tenha investido tanto na área.

OP - O que então estaria por trás da insatisfação da população, que, é verdade, não é apenas no Ceará. O fato, porém, é que saúde continua sendo o problema número um para os brasileiros e para os cearenses. Há necessidade de dar tempo à maturação de tudo isso que o senhor diz que foi feito?
Cid - Claramente, claramente, nós tínhamos uma ultradeficiência de leitos. Claramente. Tanto é que, falei aqui, ampliamos todos os hospitais de Fortaleza, implantamos um grande hospital no Cariri, implantamos um hospital em Sobral, implantamos as UPAs, e ainda há muitos problema. Outro dia estava no Facebook e uma menina reclamou que um parente estava na UPA do Pirambu, precisando de uma UTI e estava enfrentando dificuldade etc. Lá fui, então, resolver aquele problema. É claro que quem vê aquilo ali acha que está em crise, certamente a tendência de uma pessoa dessa é, claro, sair dizendo que há problemas, que um primo demorou oito horas para conseguir um leito de UTI. Estou, com isso, reconhecendo que há deficiências, tanto é que nós estamos andando para um Hospital Metropolitano e um outro mais regional, em Jaguaribe. As promessas dos candidatos para a Saúde, tanto Eunício (Oliveira, do PMDB) como Camilo, são duas coisas que eu já começo agora, certo. A do Camilo tem essa parte criativa de sugerir uma gratificação e o Eunicio, ao que me consta, a única coisa que tem prometido é o que já estou fazendo: a construção dos hospitais do Jaguaribe e o Metropolitano.

OP - Já dá pra sentir os efeitos do funcionamento dos Hospitais Regionais, principalmente no sentido do desafogo dos grandes hospitais de Fortaleza, como IJF, HGF?
Cid - A gente tem de tudo. Outro dia eu estava em Brejo Santo e uma mulher me disse ter sido super-bem atendida num hospital lá da sua cidade, Sobral. A mulher saiu de Brejo Santo para fazer uma cirurgia neurológica em Sobral. Infelizmente, o Regional de Sobral ficou com a pecha do Hospital da Ivete Sangalo, do hospital da marquise que caiu etc, mas digo ficou porque o adversário diz isso, o adversário diz isso. Mas, o Hospital de Sobral faz cirurgia com equipamentos que só existem no Brasil no Albert Einstein e no Sírio-Libanês. Você acredita nisso? Estamos zerando a fila de operações neurológicas no Hospital Regional Norte. Tenho no meu Facebook, de vez em quando posto o que o Gerardo me manda, porque o equipamento filma. Outro dia ele mandou o caso de uma pessoa que tinha problema no nervo do rosto, uma mulher que tinha dores permanentemente, o dia todo, abriram e era um nódulo que encostava e pressionava, foi retirado e ela saiu morta de satisfeita etc tal. Tinha um outro caso que ele mandou de uma pessoa que tinha dificuldade de cheiro, crônico, há anos não sentia cheiro de nada. Também era um nódulo que foi retirado. Quinhentas! Foram 500 cirurgias, cada uma delas com duas, três horas, demandando médicos especializados, então tem coisas que acontecem e em outras a gente se engasga com um mosquito. Depende do conjunto de componentes, mas, sinceramente, eu acho que houve avanços significativos. Essa não é a área em que estou mais desconfortável. Na área de prestação de serviços, claro, é a segurança. Já estou em fim de governo e é preciso que se diga, até como conforto pessoal, sei a importância que o tema segurança teve na linha eleição e prezo muito por honrar minha palavra, não tenho dinheiro, não tenho a tradição, é esquisito colocar isso, sou um político que veio do Interior, conquistei o governo do Estado na oposição, não fui eleito pelo Poder. Meu patrimônio é a minha palavra e eu prezo muito por isso, fui eleito pela primeira vez, especialmente na Região Metropolitana, em função de dois compromissos: um, implantar o programa Ronda do Quarteirão e implantei para além do prometido. Prometi implantar na Região Metropolitana, explicando como é que era, o adversário dizia ser impossível, e eu disse que iria dividir a cidade em áreas de no máximo três quilômetros quadrados, daria 98 áreas, depois subdividi. Quando assumi tinha 40 viaturas operando na Região Metropolitana, pois só agora renovei a frota e 120 eram apenas para a Grande Fortaleza.

OP - O conceito do programa, que instituía uma polícia comunitária, está preservada? O senhor considera?
Cid - Bom, segurança, já disse isso uma vez e vou repetir: nenhum governante do Ceará pode se arvorar de ter deixado a segurança pública melhor do que encontrou. Nenhum, em matéria de indicadores de homicídios. E isso é verdade! Ai vem aquela história de que em Pernambuco se fez. Só que Pernambuco chegou a 66 cinco antes do Ceará, ou quatro anos antes, e quando você chega no pico a tendência natural é que, de alguma forma, até por gravidade, de cair. Ninguém pode se arvorar e, ao meu juízo, ninguém pode fazer demagogia. Digo isso com autoridade de quem não fez demagogia, minhas promessas na área de segurança foram: implantar o Ronda do Quarteirão na Região Metropolitana de Fortaleza, e eu fiz mais, implantei em todas as cidades com mais de 40 mil habitantes...

OP - Mas a ideia, governador, está preservada?
Cid - Eu acho a ideia fundamental. Segurança é uma coisa complexa, por natureza, porque a responsabilidade não é só de um. Você não pode apontar um dedo para um e dizer que é o responsável e se ele não der conta prende, arrebenta etc. Primeiro, depende do conjunto da população, porque não se pode impedir que um cidadão um dia tome um porre, chegue em casa bêbado, dê uma surra na mulher? Você pode impedir uma coisa dessa? Isso não vai para estatística? No mundo, agora mesmo na África do Sul, um atleta paraolímpico, superconhecido e tal, chegou em casa e matou a mulher! Você impede isso? Óbvio que não, óbvio que não. Estou no extremo, é claro que tem outros casos possíveis de combater, mas o que quero mostrar é que existem agentes externos que são impossíveis de se corrigir ou impedir. No que é da responsabilidade do Poder Público, no sentido latu sensu, você tem a Polícia Militar que deve prevenir e como se faz presença? Não tem conversa, é quantidade, mobilidade e outros instrumentos modernos, que tenho procurado fazer, como câmeras, viatura-moto... A promessa do Eunício para essa coisa da Segurança, me perdoe, é ridícula. Levar o (batalhão) Raio para o Interior, esse é compromisso dele. O Raio quando eu assumi era nada, nós ampliamos significativamente dentro do sentido de que Polícia preventiva é presença. Hoje, nós temos no Ceará 10 mil e 200 soldados na rua. Sabe quantos destes foram contratados no meu governo? Sete mil, 7 mil, de 10 mil e 200 que estão hoje em efetivo serviço na rua, 7 mil foram contratados no meu governo. Acabei de falar de viatura, havia 40 operando na Região Metropolitana e hoje devem ser 250. Quantas vezes mais? Seis vezes mais! Viatura mesmo, ai vem aquela crítica miúda, demagógica, de Hillux não sei o quê.. Qual é o carro que a Polícia de São Paulo está usando agora? Hillux.

OP - Governador, o senhor estava falando do Ronda e citou um segundo programa....
Cid - Não, meus dois compromissos foram Ronda do Quarteirão na Região Metropolitana e eu fiz mais, fiz a Região Metropolitana e várias cidades, todas com mais de 40 mil habitantes. O outro era priorizar a Segurança Pública, lembro bem, tenho meus programas de TV todos gravados. Era priorizar a Segurança Pública e priorizar não é discurso, é orçamento, participação no orçamento. Então, eu me comprometo de ampliar a quantidade de recursos, o percentual de recursos do Orçamento do Estado que será destinado à Segurança. Fazendo um balanço: valores reajustados, aproximados, R$ 600 milhões em 2006, pulamos em 2013 para R$ 1,8 bilhão, três vezes mais foram investidos. Tudo bem, ai vem a crítica demagógica de que gastou não sei o quê, não planejou, mas, então, me diga onde foi o erro? Foi na Hillux? Sinceramente, não acho que seja. Mostra um cemitério de Hillux, tá, mas em qual lugar do mundo uma viatura consegue durar a vida inteira? Viaturas de polícia, como regra, se expõem a riscos diferentes, a riscos exagerados, então, precisa de uma perseguição, vira e, muitas vezes, um carro virado se torna mais barato se desfazer dele do que recuperar. Desde o ano passado, para não dizer que tem a ver com campanha, que o edital do leilão, do tal cemitério de Hillux, é o número um de 2013. Leiloamos agora, na última terça-feira, e com deságio, ágio pra gente, de R$ 400 mil nós conseguimos arrecadar R$ 2,7 milhões. Renovei a frota de todo o Ronda do Quarteirão das cidades que foram implantadas primeiro.

OP – O Sr. diz que teve dois compromissos e honrou os dois.
Cid – Honrei os dois.

OP – Onde deu errado, então? Essa é a questão que se impõe.
Cid – Você sabe aquele filme Efeito Borboleta? Será que seria possível voltar sete, oito anos e fazer diferente? Ou não ter feito o que foi feito? Como estariam os números hoje? Aconteceu neste período um fenômeno que tem relação com o crack, que é motivação para 80% dos homicídios. Fomos ineficientes de cuidar da questão crack? Bom... Temos procurado trabalhar com esta questão há muito tempo. E no início do meu segundo governo eu formalizei uma coordenadoria (de combate às drogas). Um dia desses um cara fez uma demagogia dizendo que o orçamento do assunto droga era ínfimo. O assunto droga não é um assunto que esteja em uma secretaria. A coordenação não tem nem orçamento – o nome está dizendo, é para coordenar as ações que estão nas várias secretarias. Hoje, por exemplo, não temos deficiência de vaga para internação. Quem quer internação, o Estado está garantindo o tratamento. Mas não é só o viciado. Quando ele se vicia, muitas vezes ele recorre à violência e, muitas vezes, num assalto, acaba matando uma pessoa. E tem as mortes do narcotraficante, disputando espaço com outro, tem a morte do devedor... O que podemos fazer? Centralizamos a investigação dos homicídios. O que se recomenda para a identificação de pessoas que provocam violência? Polícia Científica. E nós criamos uma estrutura a parte, que é a Perícia forense, dupliquei a quantidade de pessoal e fiz investimentos em estruturas físicas e equipamentos. Eu mudei de secretário...

OP – E mudou de perfil. Saiu um formulador...
Cid – Mudei três vezes.

OP – E entrou o “pé de boi”.
Cid – Muito bem. Isso tudo demonstra minha disposição de acertar e de não me conformar com resultados ruins. Tive um secretário (Roberto Monteiro, que implantou o Ronda), no começo do segundo governo mudei o secretário (Coronel Bezerra), depois mudei de novo o secretário (Servilho Paiva, atual titular da Pasta). Há aí uma coisa que a meu juízo é um fator que acaba também interferindo e, parece, que vocês têm uma opinião diferente. Eu penso que hierarquia é fundamental em força de segurança. E houve uma quebra de hierarquia quando houve aquele movimento grevista, uma coisa que é constitucionalmente proibido por lei e isso até hoje tem provocado uma situação de dificuldade no comando.

OP – Se o senhor pega as taxas de homicídio, elas crescem muito após a greve ou motim da PM. Aquele é um momento chave. E o senhor coloca a questão da quebra de hierarquia, que de fato houve. O senhor não deveria ter demitido, naquele momento, o comando da Secretaria da Segurança?
Cid – Rapaz, devo confessar o seguinte: eu sou muito ruim de demitir. Eu não gosto, não gosto de demitir, e acho que muitas vezes é demagógico personificar a culpa. Eu sinceramente tenho restrições à esse posicionamento. Questões pessoais, questões pessoais. Estou admitindo sinceramente. (Pausa)

OP – O senhor fez um balanço do seu governo. Se tivesse de escolher uma área para dizer ao seu filho “disso eu me orgulho”, qual seria?
Cid – Educação, sem titubear.

OP – E qual o senhor diria, “isso eu preciso conversar com meu analista porque não consegui resolver”?
Cid – O desafio da segurança. E entenderei assim até o último dia. Agora, último ano da gestão, nós implantamos uma política de gratificação vinculado a resultados, que está apontando uma indicação de que a curva se inverte e que há uma redução dos homicídios. Não vou desistir, vou continuar. Mas é a área em que houve uma piora em relação ao que eu recebi.

OP – Nesse período que vai terminar agora o senhor teve dois grandes problemas: o dos banheiros e o dos consignados. O Sr. entende que dentro desses episódios o governo agiu...
Cid – Corrupção e desvio de dinheiro é inerente da natureza humana. NO serviço público, isso está presente desde que ele está implantado. A diferença entre um governo sério e um conivente é como encara isso.  No caso dos consignados, para começar, não se trata nem de dinheiro público. A denúncia é que tem um parente do secretário (Arialdo Pinho, da Casa Civi) ganhando comissão para fazer empréstimo consignado. Recursos do banco junto aos funcionários. Sempre tratei dessa questão de forma transparente possível. Fui à Assembleia de peito aberto.  Apurei. Não havia relação entre o Bradesco, que é quem faz essas operações. Se o secretário da Casa Civil quisesse fazer tráfico de influência, ele não tinha poder. O que eu fiz foi abrir para a Caixa Econômica Federal, um banco público. E eu não vi nada que ligasse o secretário da Casa Civil. O rapaz era de fato parente dele e recebia comissão como outros recebiam. E até onde me consta era uma disputa: o denunciante fazia (consignado), o Bradesco descredenciou, ele ficou com raiva e denunciou. Isso é briga de vendedor. É isso, briga de vendedores. Até que me provem o contrário, não havia relação. Por isso, o secretário continuou. E o caso dos banheiros, idem, idem. O que a gente pode fazer se você faz um convênio com 200 associações para suprir uma deficiência que é clara? Alguém questiona que há uma deficiência de banheiros em de famílias pobres,?

OP – Pelo contrário, isso agrava o crime.
Cid – Estou dizendo do programa. O programa não está errado, ele é para isso. Por que esse nome de banheiro ficou tão pejorativo, não é? Programas de construção e de apoio a famílias de baixa renda para unidades sanitárias é razoável que tenha. A Fundação Nacional de Saúde tem isso. O Governo do estado tinha há muito tempo – e não fui eu que implantei. O Estado não tem meios para ir executar os banheiros. Então, manteve-se uma prática de fazer com associações comunitárias, da mesma forma que é feita com o Projeto São José. Então, o que é possível fazer se uma dessas associações desvia dinheiro, não aplica no que era sua finalidade e tinha um conivente dentro da Secretaria e tinha atestado que a obra havia sido executada? O que se faz em uma situação como essa? Sindicância. A pessoa convivente foi demitida e abriu-se uma tomada de contas especial para cobrar da entidade que ela executasse os banheiros. É engaçado cobrar politicamente isso... Querem colocar (a responsabilidade) no Camilo. Isso aconteceu na eleição de 2010. Todo mundo sabe quem foi. O deputado que é acusado de fazer isso está lá apoiando o Eunício Oliveira (Teo Menezes, filho do ex-presidente do Tribunal de Contas do Estado, Teodorico Menezes). O Camilo assumiu a secretaria depois, em janeiro. A liberação do recurso tinha acontecido em abril do ano anterior. O que o Camilo fez foi instalar Tomada de Contas Especial. E vai atribuir a ele? Brincadeira. Nós tomamos as providências. Vou repetir: possibilidade de desvio de recurso tem de haver acompanhamento permanente. A diferença entre um governo sério e um conivente é a providência adotada.

OP – A questão é que havia uma fiscalização frouxa dos convênios...
Cid - Não foi a fiscalização. Foi um funcionário que era responsável e fraudou a fiscalização. A fiscalização atestou que não estava feita. E ele deu uma declaração dizendo que estava em  execução. E, com isso, liberou-se a segunda parcela. Eles receberam a segunda parcela com a declaração de um funcionário que prevaricou e foi demitido.

OP – O senhor diz que não era frouxa, mas o próprio Governo mudou as regras de fiscalização.
Cid – Muito bem, é claro. Suspendemos o programa. Aqui no Brasil temos uma coisa que se aquela vaca está com carrapato, em vez de matar o carrapato, você mata a vaca. Foi o que aconteceu: nós suspendemos o programa para que não ficasse nessa lenga-lenga, exploração política. Agora, estamos retomando pelo Projeto São José.

OP – Como o senhor compara seu segundo governo com o primeiro?
Cid – Pessoalmente, é claro que eu tinha muito mais saúde no primeiro. Mas, enfim... Se a gente for ver números, não acho que tenha grande diferença, não. Pelo contrário, eu acho que o segundo é mais operoso. Agora, fisicamente eu não tenho mais a mesma saúde.

OP – O senhor está saindo de licença e quando retornar ao Governo, muito provavelmente o cearense já terá um novo governador eleito, a não ser que tenhamos um improvável segundo turno. O senhor esperava que essa sucessão fosse tão dura quanto está sendo? Aliás, o senhor fez esse mesmo movimento na eleição municipal de 2012 e venceu a disputa com Roberto Cláudio. Mas a eleição para governador é bem mais complexa. O que está nos seus planos?
Cid – (Risos) Eu não sou Maquiavel. Em definições políticas, são tantos os fatores que é impossível planejar todos os fatores. Eu sempre achei que o poder cansa e o poder concentrado provoca desconfiança nas pessoas. Já há uma predisposição de querer algo diferente. Eu sempre achei que nestas eleições as pessoas desejariam alguém novo. De alguma forma, é paradoxal alguém novo apoiado por quem já está no poder e quem concentra o poder tanto no Estado como na Capital. Quais as alternativas que eu tinha? Lá atrás, eu nunca tive a ambição de conquistar ou tomar de um parceiro a Prefeitura de Fortaleza. Eu cheguei a dizer textualmente estas palavras ao ex-presidente Lula quando o procurei: “Presidente, estou vivendo uma situação preocupante e queria compartilhar. É difícil para mim apoiar uma candidatura que seja 100% identificada com a então administração de Fortaleza, mas eu desejo que o PT tenha um candidato. Então, veja um nome do PT. Ele têm nomes que a gente poderia, em comum acordo, votar”. E o Lula disse que iria fazer uma rodada e resolveríamos o assunto. O retorno que eu tive foi a vinda do Presidente Rui Falcão para dizer que a Luizianne (Lins) tinha maioria no diretório (municipal do PT) e que eles não tinham como interferir nisso. Eu disse que ia levar para o partido e que achava difícil apoiar a gestão. Foi daí o lançamento da candidatura do Roberto Cláudio. Eu não queria disputar a Prefeitura. Fui por uma conjuntura e acho que fiz certo. O Roberto Cláudio vai ser um grande prefeito, mas agora está vivendo um momento de desgaste. Agora é que ele vai começar a prestar serviço. A luz disso tudo, qual seria meu melhor caminho? Apoiar o Eunício? Ele me procurou para pedir o meu apoio. Seria o melhor caminho? Penso que não. Eu o conheço bem, bem mesmo, de convivência de muito tempo, e conheço bem o Camilo. O Eunício, a meu juízo, padece de três defeitinhos básicos: é excessivamente ambicioso, e isso é uma coisa perigosa; o segundo deles, tem pouco compromisso com a verdade; e o terceiro, mistura negócios e política. Isso dá um caldo que é absolutamente perigoso para o Estado do Ceará. Pode parecer que estou aqui apelando, em véspera de eleição, mas esse foi o sentimento que me moveu para não apoiar o Eunício. E não foi outro. Alguém pensava: “O Cid vai apoiar um cara do partido dele”. Seria natural, mas não foi a minha opção. “Ah, o Cid vaia apoiar alguém que é amigo dele, lá de Sobral”. Eu procurei entre os nomes aquele que tivesse característica de personalidade que me desse segurança para o futuro do Estado do Ceará.

OP – E por que não foi um daqueles nomes da primeira lista?
Cid – Porque eu achava que o desejo do brasileiro é de uma coisa nova. A opção das pessoas é sempre muito complexa. Eu penso, compreendendo a dificuldade da eleição, mas acho que essa minha opção foi em nome da minha responsabilidade que eu tenho com o Ceará. Estou apoiando aquele que sei que é o melhor candidato.

OP – Mas essa questão...
Cid – Então, por que a dificuldade? Primeiro, eu não sou... Quem escolhe são as pessoas. Com relação aos nossos, eu sei que o Camilo foi a melhor opção. Não quero ofender ninguém. Temos bons quadros: a Izolda, que ficou na vice, o Zezinho, que vai para deputado estadual, o Domingos...

OP – Todo esse pessoal está engajado na campanha?
Cid – Estão. Todos eles engajados. Estive com todos eles nos últimos dois dias. Não tem a meu juízo nenhuma sequela. Mas, de todos esses nomes, o Camilo é o que está mais preparado. E consegue inspirar a visão do novo.

OP - Qual a razão da dificuldade?
Cid - O poder há oito anos, as pessoas naturalmente vão querer testar uma coisa nova, sabe-se o risco disso... E nas duas eleições minhas, havia uma fragmentação das candidaturas. Nessa, a oposição se juntou em uma só candidatura e ela veio de um partido que militava ao nosso lado. E o grau de interesse na eleição é bem menor, as pessoas estão acompanhando pouco. Isso reduz o fator que eu acreditava que as pessoas enxergassem no Camilo um cara novo, com toda motivação. Esse é o quadro. Mas a eleição está indefinida. Essa semana vamos ter debates na TV – o que praticamente não houve. Esse será o fator decisivo para que as pessoas conheçam um pouco mais dos candidatos. Se você for para o voto espontâneo, não chega a 50% a quantidade de pessoas que já tem candidato. Isso é uma tendência mundial. As pessoas estão cada vez menos se ligando (em campanha) e participando. Claro que no Interior é uma eleição mais forte, mas em eleições estaduais o grau de envolvimento não é tão grande. A tendência é essa: as eleições ficarão mais frias. Até porque as pessoas estão menos dependentes do poder público.

OP – O senhor falou da escolha de seu candidato, mas o senhor adiou para a última hora essa definição. O senhor não se arrepende disso, em vez de ter feito como o então presidente Lula fez com a presidente Dilma em 2010?
Cid – Isso não foi uma estratégia proposital. Não tínhamos um candidato natural. Estávamos avaliando. E eu pessoalmente sempre achei que quando você precipita processos eleitorais, isso prejudica a administração. Eu sempre achei isso. Tudo bem, vão dizer que o Eunício já estava em campanha há um ano, mas não tinha uma formalização da oposição por parte das candidaturas. E eu não acredito que ganha quem sai mais cedo. É um conjunto de fatores, e o que está faltando nessa eleição é debate.

OP – Com relação a sua crítica ao candidato Eunício...
Cid – Eu não fiz crítica, não. Esse é o conceito que faço dele. Se eu não fizesse esse conceito, ele seria meu candidato.

OP – Mas não eram críticas que o senhor fazia antes, quando ele era seu aliado.
Cid – Eu não estou fazendo críticas. Estou constatando, estou dizendo porque não optei por ele.

OP – Então, ele é bom para ser senador, mas não para governador?
Cid – Essa coisa é a seguinte... A política é feita de entendimentos partidários. Naturalmente. Ele não foi contra o Tasso? Não se pode dizer que ele derrotou o Tasso para senador e os dois não estão juntos agora? A política é feita de entendimentos partidários. Chega a uma circunstância que para ele fortalecer a candidatura dele era melhor se juntar ao Tasso com quem concorreu para senador. Foi ele que derrotou o Tasso para o Senado, com meu apoio. Senador não manuseia dinheiro. E ainda assim, o Eunício conseguiu saltar... Isso não é baixo nível, não. A legislação eleitoral brasileira diz que as pessoas quando se candidatam a um mandato devem fazer uma declaração de seu patrimônio e ao final também. Para ver se houve evolução patrimonial. É aquela história, se o cara não mudou o patrimônio, menos possibilidade de ter sido desonesto. Se mudou, não quer dizer que tenha roubado, mas isso deve ser justificado. O Eunício saiu de um patrimônio de R$ 36 ou R$ 39 milhões para R$ 99 milhões. Então, é uma coisa que merece atenção...

OP – O seu irmão, o secretário Ciro Gomes, chegou a chamar o senador de ladrão...
Cid – Olha, cada um tem seu estilo. Eu já fui vítima pessoalmente de muitas armações e muitas calúnias, muitas infâmias e injúrias. Tenho sempre muito cuidado em dizer alguma coisa. Estou dizendo em relação ao conceito que tenho dele. Estou dizendo porque é a minha visão pessoal e isso é para justificar porque não apoiei ele. Se eu quisesse uma vida fácil e fazer o sucessor teria apoiado tranquilamente. Mas não fiz opção pelo Eunício por conta desses três defeitos que enxergo nele. E posso dar exemplos: a ambição desmensurada está nisso. A pessoa saltou de patrimônio de 30, 40 para 100?? É uma pessoa ambiciosa. Isso não é defeito por si só. Vamos ver se foi honestamente ou desonestamente. Isso deve ser examinado. E, repito, para mim a política é incompatível com negócios. Na hora que você mistura negócios com política, o céu é o limite. Tudo fica nebuloso. O Eunício mistura muito claramente negócios com política, muito claramente. O Eunício, nessa CPI da Petrobras, fazia chantagens claras ao Governo federal. Claríssimas. É só ver o diretório do PMDB. Veja se não é o sócio número um, o sócio número dois, o sócio número três, que compõem o diretório. São sócios e familiares como regra. E, terceiro, essa falta de compromisso com a verdade. O Eunício mente como cachorro que acua alma. E mente desnecessariamente em coisas tolas. Mente em coisas importantes e coisas tolas. Quer que eu dê um exemplo? Ele estava presente comigo em Sobral para um evento com a presidente Dilma, em que eu fui muito elogiado. E brinquei: o único elogio que eu recebo sem questionamento é que eu sou o maior governador da história do Ceará. Aí dou uma paradinha e digo que sou o maior governador porque eu tenho 1,84m e já pesquisei que nenhum ex-governador teve 1,84m. Uma semana depois, a coluna Painel, da Folha de S. Paulo, diz que o senador Eunício Oliveira já sabe que vai ser o maior governador porque tem 1,86m. Fiquei com aquilo na cabeça e, dia desses, no Brics, fui na direção dele e disse: “Eunício, que história é essa de você ter 1,86m?”. Fui na direção dele para ficar lado a lado e a gente ver. “Não, governador, você sabe que quando a gente vai ficando velho diminui de tamanho”. Conversa fiada. O cara que mente na altura, me perdoe.... E eu já ouvi muitas. Esses três defeitos para mim são fatores decisivos.

OP – Há uma questão polêmica nesta campanha que foi um pedido para suspender a circulação da revista IstoÉ. O senhor participou desse pedido? Se arrepende desse pedido?
Cid – É muito engraçado isso. É tudo muito engraçado. Peço que façam um mínimo de esforço para se colocar na minha situação. Eu fui vítima, há quatro anos, de uma armação montada da mesma forma pelos mesmos personagens que usaram uma revista de São Paulo para fazer essa coisa. Era a história dos R$ 300 milhões que eu e Ciro estávamos citados em um inquérito da Polícia Federal e que havia desvios de R$ 300 milhões. E quando eu vi aquilo em um sábado de manhã, fiquei chocado pessoalmente. E a minha primeira atitude foi ligar para a Polícia Federal para que eles me dissessem se aquilo era verdade ou se era mentira. E eu não consegui. Eu liguei para o presidente da República, que na época era o Lula, e eu disse: “Eu exijo uma declaração da Polícia Federal. Se eu estou citado, que diga, se não estou citado, que faça justiça. E a Polícia Federal deu uma declaração e colocou no site dela de que não havia qualquer menção ao menu nome e do Ciro. E meus adversários usaram isso na campanha um mês. E eu tenho filhos, tenho mãe, tenho o meu patrimônio pessoal, que é a minha palavra e uma vida de seriedade, sem negócios. Eu não tenho nenhum negócio. Agora é que eu estou pensando no futuro e tem um terreno que comprei quando era deputado estadual, peguei um financiamento do Banco do Nordeste, fiz uma estrutura  e aluguei e isso vai dar uma tranquilidade para minha vida futura. Mas assim mesmo um aluguel, de um terreno que eu já tenho há 20 anos. Essa denúncia me deu depressão. Eu fiquei em casa, prostrado, pelo que fui vítima. Processei a revista. Infelizmente, soube agora que foi arquivado de uma coisa que é clara: se eu fui acusado, cadê o inquérito, cadê a denúncia? Óbvio que não. Foi pura armação. O tal Moraizinho depois disse que recebeu R$ 30 mil para fazer esta denúncia. E agora, de novo, eu assisti esse filme quando recebi de um assessor que uma repórter tinha ligado para saber que meu nome estaria sendo denunciado por este tal Roberto. Ora, vou repetir: eu não conheço, nunca estive com essa pessoa.

OP – Mas, logo em seguida, foram divulgadas fotos em que o senhor aparece com Paulo Roberto Costa.
Cid – Não estou mentindo, não. Eu posso dizer que conheço... sei lá. Tem uma foto minha com o presidente Obama. O Obama me conhece? O fato de ter uma foto comigo quer dizer que eu conheço ele ou ele me conhece. Claro que não. O fato de eu ter estado com o diretor da Petrobras em uma reunião com várias pessoas ou em uma inauguração onde eu estava com o presidente da República... Aliás, vocês devem ter estado lá com algum repórter. O repórter do O POVO conhece o tal Paulo Roberto? Eu continuo com minha assertiva. Não conheço este cidadão. Estive com ele em algumas oportunidades formais, nunca estive com ele pessoalmente, Tetê-a-tete. E veja, a acusação não é que eu conheça ele, a acusação é de que eu teria recebido propina dele. Onde foi, qual o depósito, qual a construtora? Dos outros, eles citam que receberam tantos mil reais de uma construtora... Contribuições de campanha. Eu fiquei ultraincomodado e pedi a um advogado que procurasse proibir a revista de citar o meu nome. Era isso o que eu queria: que ela fosse impedida de citar o meu nome. Até porque, diferentemente do outro, esse processo corre em segredo de justiça. Vocês poderiam estampar num jornal e invocar o sigilo da fonte que o Roberto Carlos estava envolvido. Alguém de má-fé não poderia fazer isso? Segredo de justiça... Nessa tarde, eu liguei para o ministro Raul (Araújo, cearense, ministro do Superior Tribunal de Justiça) para pegar o telefone do presidente do STJ porque, se eu estivesse envolvido nisso, o foro seria o STJ. Liguei para o presidente Falcão (ministro Francisco Falcão, presidente do STJ). Liguei para o diretor geral da Polícia Federal, para o ministro da Justiça, para o ministro Teori Zavascki (do Supremo Tribunal federal, responsável por homologar os termos da delação premiada), de todos eu recebi a seguinte informação: “Governador, o senhor me desculpe mas não podemos fazer nada. Este processo corre em segredo de Justiça”. E eu dizia: “Mas doutor, e como está em uma página de uma revista?” “Não, o senhor sabe, a imprensa...” É essa s situação. Repito: não tenho nenhuma relação com Paulo Roberto. Não tem nem verossimilhança. O que foi que o Estado deu para ele que justificasse que, se eu fosse desonesto, que tivesse cobrado algo em troca? São documentos públicos. O Estado não tem um protocolo... Não tem nada. Se eu fizesse doação, como dizem que ele pediu um terreno, teria de ir um projeto para Assembleia. Juro pela alma de meu pai que não lembro de ter estado com ele sobre este assunto. Acho que quem me falou sobre este assunto foi o Roberto Smith (presidente da Agência de Desenvolvimento do Estado). Vamos raciocinar. O que justificaria alguém receber alguma coisa de uma pessoa como essa? Ao meu juízo, alguém que tivesse influência para sua manutenção lá, na Petrobras. Alguém acha que eu tenho alguma influência na Petrobras? Alguém acha que eu pedi alguma vez para o Roberto não sei das quantas ficasse lá... a minha relação com a Petrobras sempre foi de cobrança com eles, do compromisso que eles têm de fazerem a refinaria. A parte que dizia respeito a gente, que é com a Petrobras, é a aquisição da área, que nós já fizemos e está disponível para a Petrobras. E desde então, nós só temos cobrado. O que eu posso dizer mais? Eu, de novo, tive problemas pessoais que não foram tão graves quanto da revista Veja, mas depois... Essa coisa do Facebook ajuda muito. Eu coloquei (um post sobre o assunto) e vi reações. Até um cara de oposição que disse “eu não acredito que você esteja envolvido nisso”. Essa coisa é assim: se você for desonesto, você faz isso para incorporar patrimônio. Investiguem meu patrimônio. Eu vou sair do governo com o mesmo patrimônio que eu tenho há 16 anos: dois ou três terrenos em Sobral, um apartamento em Fortaleza, tudo foi comprado antes de eu assumir o governo. Aliás, minto: tenho um terreno na Serra da Meruoca que eu comprei nesse período. Custou R$ 100 mil, tirado da minha conta bancária, pago com cheques em prestações de R$ 10 mil.

OP  O senhor falou que vai ser uma eleição dura e bastante apertada sobre o Governo. E o Senado? Como fica a situação do candidato Mauro Filho?
Cid – No Ceará, o passado recente mostra que o candidato a senador vinculado ao candidato a governador vitorioso ganha a eleição. A exceção foi a do pai do Mauro (o deputado federal Mauro Benevides), em 1974. Mas o Virgílio Távora não apoiou o Edilson Távora. Por trás dos panos, ele apoiou o Mauro Benevides. Foi a exceção.

OP – A outra exceção foi a eleição de Carlos Jereissati para o Senado, pai de Tasso.
Cid – Mas aí é bem anterior. Falo desde que nasci. De lá para cá, todos (os candidatos eleitos para o Senado) acompanharam (o candidato ao Governo coligado). A eleição para governo ainda está indefinida e, consequentemente... A sequência de definição do voto das pessoas é presidente, e aqui no Ceará a Dilma tem 55% espontâneo de presidente; depois governador, deputado estadual, federal e o último voto é para o Senado. Porque, para as pessoas, Senado significa muito pouco ou nada. É longe demais. Porque o deputado federal ainda leva uma emenda para a cidade. Senador, zero. É o último voto. Então, tudo pode acontecer. Fonte:OPOVOoNline.
Erick Guimarãeserick@opovo.com.br
Guálter Georgegualter@opovo.com.br